Brethren of the Belt

Traduzido diretamente do documento original da Spartan Games – The Brethren of the Belt (PDF)

Os N’Tal era uma raça originalmente sem maiores aspirações, desenvolvendo discretamente a sua tecnologia de viagem espacial nas imediações do fenômeno de  Chaddarrin, até que a catástrofe aconteceu. Seu planeta natal foi descoberto por uma equipe de busca do Directorate, após a captura de uma das suas naves de exploração.  Logo eles começaram a temer as aparições dos “Caranguejos Negros” no espaço sobre seu punhado de colônias.

Sabendo que eles corriam o risco de terem que enfrentar um inimigo superior sem conhecimento tático suficiente, eles decidiram descentralizar a sua capacidade espacial para se certificarem que conseguiriam construir uma força suficiente para se defender. Eles deixaram seus estaleiros trabalhando em seus maiores planetas, mas construíram novas bases entre os cinturões de asteróides dos sistemas que controlavam, e em novas localidades onde eles os recursos apropriados.

Sabendo que corriam um risco enorme nos sistemas que eles controlavam, várias de suas bases foram construídas bem longe de suas colônias originais. Viver em colônias nos asteróides foi uma mudança simples para eles, e eles desenvolveram uma cultura que se tornou confortável com o conceito de se viver escavando o leito de pedra, em busca de recursos e um lugar seguro para se viver. Esta afinidade com lugares fechados os tornaram ideais para a extração de recursos dos asteróides ou planetas que requeriam lugares fechados para se habitar.

Devido ao fato que eles estavam em extrema desvantagem contra as raças mais estabelecidas que eles encontraram durante sua secreta expansão, eles acabaram se tornando grandes oportunistas toda vez que tinham chance de obter tecnologias mais avançadas. Sendo um povo bastante laborioso, eles venceram os problemas de engenharia reversa das tecnologias que eles conseguiram encontrar, roubar ou comprar. Suas naves tradicionais se tornaram conhecidas em vários mundos como mercadores viajantes, como os antigos ciganos. Nunca ficando por muito tempo, sempre procurando por uma barganha, e desaparecendo no vazio do espaço depois de fazer negócio.

Estas missões de comércio foram uma chance maravilhosa de aprender sobre as outras raças, mas também uma excelente oportunidade conhecer as rotas comerciais e suas defesas, para que suas naves corsárias pudessem atacar e obter aquilo que o comércio não lhes proporcionava. os N’Tal se tornaram uma raça com uma dupla personalidade; mercadores ciganos com naves simples, e piratas velozes que tomavam um enorme cuidado em não morder mais do que pudessem engolir.

Seu líder mais celebrado foi G’ofrey Thorpe, que percebeu que eles tinham muito à ganhar usando alienígenas para tripular as suas frotas e para a sua pesquisa tecnológica. Ele se deu conta de que em cada raça haviam indivíduos e grupos que não estavam satisfeitos com o status quo, e poderiam facilmente ser utilizados pelos N’Tal.

Já que as suas bases piratas foram construídas em separado das colônias dos N’Tal, eles se tornaram uma força separada, e começaram à aceitar astronautas de outras raças que precisavam ou ansiavam por uma nova vida. À medida que o tempo passou, eles passaram a desenvolver uma cultura distinta, feita da mistura dos vários grupos que se juntaram à eles. Além de serem apenas a frota secreta dos N’Tal, eles se tornaram o Brethren of the Belts (Irmandade dos Cinturões), assim chamada porque estes são os locais mais comuns das suas bases. Esta mudança os separou ainda mais do papel de proteger os planetas dos N’Tal, e os deu um avanço rápido em sua capacidade tecnológica, à medida que alienígenas revoltados buscavam por um lar onde eles não fossem sempre caçados.

Um engenheiro Dindrenzi renegado ajudou á projetar e nomear várias das naves de sua nova geração, com um toque de história e drama, nomeando as suas classes em homenagem aos piratas do mar da antiga Terra.

Taticamente falando, os Brethren seguem as tradições dos piratas, e comandam naves com grandes tripulações e numerosos esquadrões de abordagem. A lógica por trás disso é permitir que estes esquadrões rendam rápida e facilmente as tripulações inimigas, e que tomem as naves destas tripulações. A velocidade é essencial, já que em qualquer combate que eles levem desvantagem eles possam fugir facilmente, e qualquer combate que eles vençam permita que eles controlem quaisquer nave que tente escapar antes que ela tente realizar um salto.

Os Brethen of the Belt não possuem modelos próprios – você pode utilizar naves dos Space Marauders, e naves de outras linhas de miniaturas, ou até naves de outras raças, como naves capturadas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s